É possível vencer na vida sendo professor?


Começa 2012 e os mesmos questionamentos permeiam as discussões nas salas de professores: quais são as perspectivas de crescimento profissional do professor?
Quando a discussão tomou este rumo, uma das professoras tomou a palavra e falou algumas coisas que considero pertinentes e que divido aqui com meus leitores.


Segundo ela, é preciso dar aos professores, bem como à equipe gestora, perspectivas de médio e longo prazos como forma de atrair mais docentes, jovens que se interessem pela profissão. Neste aspecto, é nítida a falência. Quando ingressei, ainda em 2005, quando havia necessidade de algum professo faltar, havia 3 ou 4 professores que pudessem substituí-los. Hoje, coloca-se até quem não é formado na disciplina para que “tampe o buraco”.
É preciso equiparar a docência a outras profissões. Confesso que não me entra na cabeça certas profissões ganharem um salário inicial de mais de 5 mil reais enquanto um professor, com carga completa, não passe dos mil e quinhentos. Isso se considerarmos o Estado mais rico da Federação. Em outros, mais afastados do eixo econômico, os professores são verdadeiros sobreviventes.




Mas, infelizmente, o Brasil vem empurrando essa reivindicação com a barriga há anos. Enquanto ainda se engatinha na discussão de um novo Plano Nacional de Educação (PNE), professores de todo o país questionam-se sobre as perspectivas profissionais. E nesse descontentamento, evidentemente, não rendem como poderiam, pois precisam dividir-se entre vários empregos, várias escolas como forma de aumentar a renda. A fala da professora que citei no início do artigo terminou com a lembrança de que um plano de carreira bem formulado pode trazer bons profissionais para as salas de aula, mesmo que o salário inicial não seja tão alto. Isso porque a maioria das pessoas, especialmente os mais jovens, é atraída pela perspectiva de progredir e, enquanto o progresso profissional estiver tão solidificado (no sentido de intransponível), o docente continuará desmotivado na rede pública.

Postar um comentário