Jogo para explicar o que é um labirinto

Os jogos online da atualidades estão evoluindo bastante quando o assunto é entretenimento educativo. Isso porque são diversos os jovens que veem nos jogos uma chance de aprender mais. Professores também estão de olho nessas tendências e levam para sala de aula os jogos que fazem seus alunos revisarem conceitos de sala de aula e até mesmo desenvolver projetos de pesquisa. Uma possibilidade de trabalhar com isso é ficar atento aos jogos da Mônica. este em especial eu vi um professor amigo usando quando falou sobre a Grécia antiga, os mitos e, em especial, Minotauro. O jogo é de labirinto e as possibilidades são múltiplas neste assunto.
Clique sobre a imagem para acessar o jogo. Como temos um site especializado nesse tema, queremos que você o conheça.
 

http://jogosdamonicajovem.com/cascao-na-casa-da-arvore/


http://jogosdamonicajovem.com/cascao-na-casa-da-arvore/
 

Figuras de linguagem que exploram a sonoridade

Tenho abordado em vários artigos o uso das figuras de linguagem, ou melhor, dos recursos sonoros na expressividade de um texto. Eu não tinha, no entanto, falado sobre as figuras de linguagem. É bastante importante que você não deixe de estudá-las. por meio da repetição do método e conhecimento das figuras é que na hora da prova de Literatura ou mesmo durante um exercício de interpretação de textos você não ficará perdido tentando lembrar daquilo que seu professor falou.

Bem, como eu disse, nos itens anteriores, observamos diferentes maneiras de explorar a sonoridade de um texto. Agora, analisaremos algumas figuras de linguagem, de uso já consagrado, que potencializam o ritmo, a musicalidade dos textos.

Figuras de Linguagem e a produção de textos


  • Onomatopeia: Consiste em passar um determinado som para a escrita; a onomatopeia transforma-se, assim, num processo de formação de palavras. As onomatopeias têm sua carga significativa na sonoridade e não no conceito, ou seja, valem apenas pelo significante. Leia, em voz alta, os dois fragmentos seguintes de Álvaro de Campos (um dos heterônimos do poeta português Fernando Pessoa) e perceba como ele explora ora a vibração do r, ora o estalado do t e do qu:
"Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria!" (ode triunfai)
"Mas ao lado, acompanhamento banalmente sinistro,
Ergue a voz o tique-taque estalado das máquinas de escrever." (Datilografia)


PESSOA, Fernando. Fernando Pessoa - obra poética. 7. ed.Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1977.

No desenho, em primeiro plano, está o Arqueiro Verde pulando do alto do prédio do hospital e, ao fundo, envolto em sombras, o temível vilão Onomatopeia.



"Tic... Tac... O tempo corre contra Oliver Oueen. Blam! Um tiro na cabeça mandou seu filho, Connor Hawke, em estado grave para uma mesa de cirurgia. Chuff! O vilão Onomatopeia chegou ao hospital. Ping! Ele quer acabar o serviço que começou. Ciash! O Arqueiro Verde não vai permitir. E ainda: praticando tiro a longa distância, Oliver lembra-se de uma velha história que envolve um ser imortal e o disparo mais difícil de toda a sua vida."
Disponível em: <www.universohq.com/Ouadrinhos/2003/n2307200301.cfm>.



  • Aliteração: Consiste na repetição de fonemas para sugerir um som. Difere da onomatopeia na medida em que esta imita um som (tique-taque, r-r-r-r-r, etc); a aliteração é sugestão. Por exemplo, quando Caetano Veloso brinca com as palavras e escreve: "Amor morto motor da saudade". Explora, principalmente, a repetição do fonema consonantal vibrante representado pela letra r e do fonema consonantal bilabial representado pela letra m, sugerindo (e não imitando) o ronco de um motor. A aliteração não é tão evidente como a onomatopeia.

Observe os exemplos:

Perguntas & respostas
Paciente que sou de entrevistas, muita vez atendo a perguntas das mais estapafúrdias.
Por que está escrevendo a mão? Por que não usa a máquina?
- Porque o tic-tic, o toc-toc, ou o puc-puc da máquina me picota a cuca.
As entrevistadoras (eram umas menininhas) gostaram do estilo. Foi de propósito. Especialmente para elas.

QUINTANA, Mário. A vaca e o hipogrifo. Porto Alegre: LP&M, 1983. p. 113.

Quando o poeta cria uma palavra para imitar um som, está fazendo onomatopeia, como em tic-tic, toc-toc, puc-puc. Já quando ele escreve "máquina me picota a cuca", a combinação de determinados fonemas (/In/, /p/, /t/) sugere o som da máquina de escrever - isso é aliteração.

Leia em voz alta os seguintes versos e perceba a sonoridade resultante da repetição de certos fonemas:

No poema O Navio Negreiro, de Castro Alves:

Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança

No poema Violões que choram, de Cruz e Souza.

Vozes veladas, veludosas vozes,
Volúpias dos violões, vozes veladas,
Vagam nos velhos vórtices velozes
Dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.

No poema Velho vento, também de Cruz e Souza.

Velho vento vagabundo!
No teu rosnar sonolento
Leva ao longe este lamento,
Além do escárnio do mundo.


  • Assonância: Consiste na repetição de sons vocálicos. Veja este exemplo, no verso do poema "Garoa do meu São Paulo", de Mário de Andrade:
"Garoa do meu São Paulo, Timbre triste de martírios"


  • Eco: O eco consiste na repetição de um determinado som no final de palavras em sequência (difere, por exemplo, da rima: esta aparece de forma estruturada ao final de versos; já o eco é trabalhado no interior de uma frase ou de um verso). Mas, cuidado! O eco pode se constituir num defeito quando a sua sonoridade não tiver valor expressivo, como em"... dando seguimento ao acompanhamento do escalonamento, encerramos tal procedimento."
Como exemplo de uma repetição sonora bem trabalhada, transcrevemos um fragmento de texto do poeta baiano Gregório de Matos:

Que falta nesta cidade?........................Verdade
Que mais por sua desonra?.................Honra.
Falta mais que se lhe ponha?.............Vergonha.
(...)
E que justiça a resguarda?...................Bastarda.
É grátis distribuída?..............................Vendida.
Que tem, que a todos assusta?...........Injusta.


  • Paronomásia: Consiste na aproximação de palavras semelhantes no som, mas distintas na significação (parônimos) como no ditado popular "Quem casa quer casa.". Veja mais um exemplo:
Aquela que era moça no mar vira peixe mas peixe sem mexer, peixe que não nada. Nada!
O ditado popular brinca com palavras homófonas e homógrafas, mas de significado distinto: o primeiro casa é forma verbal do verbo casar; o segundo é substantivo. No poema de Olga Savary, também ocorrem palavras homófonas e homógrafas, de significado distinto: nada (forma do verbo nadar) e nada (pronome indefinido: coisa nenhuma).

Projeto de Leitura - Memórias Literárias

Este é um projeto de Leitura para desenvolver nas aulas de Língua Portuguesa. Junto com meu outro artigo no qual publiquei um projeto de Educação Ambiental para desenvolver na escola, trago um pouco mais de prática para a abordagem que se faz na sala de aula de temas pertinentes à realidade do aluno. Neste projeto aqui vamos incentivar os alunos a registrar suas memórias Literárias. Vejam o passo a passo para desenvolver o projeto.


Objetivos
- Ampliar a competência comunicativa, lendo e escrevendo textos socialmente relevantes sobre o trabalho com o gênero textual memórias literárias.
- Ler, ouvir, compreender e comentar textos com base no gênero memórias literárias.
- Identificar as características formais e discursivas do gênero memórias literárias.
- Planejar, produzir, reescrever, revisar e publicar memórias literárias.
- Realizar análise linguística sobre os textos produzidos.

Conteúdos
- Gênero textual Memórias Literárias.
- Leitura e compreensão.
- Produção textual.
- Procedimentos de produção, reescrita e revisão de textos.
- Análise linguística - coesão, coerência, plural, tempos verbais, transposição da fala para a escrita, uso da letra maiúscula, pronomes, pontuação, vocabulário.
Obs.: dependendo das dificuldades da turma, outros conteúdos linguísticos podem ser acrescentados ao projeto.

Tempo estimado
Oito meses.

Ano
5º ao 8º ano.

Material necessário
- Filme "Adorável Professor" (Stephen Herek, 440 min, Buena Vista Filmes do Brasil, tel. 11/5503-9900)
- Coletânea "Meu Professor Inesquecível" (Fanny Abramovich/org., 160 págs., Ed. Gente, tel. 11/3670-2500, 31,90 reais)
- Conto "Galinha ao Molho Pardo", de Fernando Sabino (1923-2004), presente no livro "O Menino no Espelho" (176 págs., Ed. Record, tel. 21/2585-2407, 34,90 reais).
- Biblioteca, acervo de livros ou textos do gênero Memórias Literárias.
- Laboratório de informática com acesso a internet (facultativo).

Desenvolvimento do projeto de leitura

1ª etapa
Como atividade introdutória, forme um círculo e distribua ao centro várias gravuras que remetam ao campo semântico da Educação. Sugira que cada aluno escolha uma imagem relacionada às suas vivências educacionais e fale sobre fatos e professores que foram importantes. Explique à turma que, nessa aula e nas seguintes, vocês vão falar sobre docentes inesquecíveis. Escolha um texto da coletânea Meu Professor Inesquecível, divida-o de acordo com os parágrafos e peça que cada estudante leia um em voz alta. Promova uma discussão sobre o texto. Proponha uma produção escrita baseada no seguinte enunciado: “É hora de recordar sua vida estudantil. Relembre os melhores momentos, os professores, os acontecimentos inesquecíveis e produza um texto utilizando suas memórias”. Durante as três atividades, inicie o mapeamento da turma com base na análise dos textos produzidos, focando o que cada um já sabe e o que necessita aprender.

2ª etapa
Pergunte à classe quais as qualidades de um bom professor. Liste as respostas no quadro. Em seguida, informe que todos assistirão ao filme Meu Adorável Professor. Ao terminar, proponha uma roda de conversa com base nas seguintes questões:
- Como se sentiram ao assistir ao filme? 
- Já tinham ouvido lembranças semelhantes?
- A história lembra alguma situação que já vivenciaram? 
- O que já aconteceu na vida estudantil de vocês que mereça ficar registrado?
Os alunos devem falar sobre os temas propostos e registrar as considerações nos cadernos. Divida os alunos em duplas e proponha que façam uma lista com o nome dos bons professores que conheceram, os fatos mais importantes que vivenciaram juntos e o que chamou mais a atenção durante as aulas. Com base nisso, discuta o uso da letra maiúscula. Incentive as duplas a sistematizar as regras de uso. Para finalizar, trabalhe a distinção entre memória e memórias por meio de consultas a dicionários e de uma discussão coletiva.

3ª etapa
Lance para a turma uma tempestade de ideias sobre o título da coletânea Meu Professor Inesquecível. Levante os seguintes questionamentos: 
- Quem é seu professor inesquecível? 
- O que ele fez de especial?
Apresente à classe o escritor Marcos Rey (1925-1999), um dos autores que participam da coletânea. Leia o texto dele em voz alta. Peça que os alunos formem duplas e conversem sobre a maneira como o professor inesquecível do autor é apresentado no texto. Todos devem listar suas considerações. Discuta-as coletivamente e vá preparando, no quadro, um panorama das características do gênero memórias literárias. Peça que os estudantes registrem as informações no caderno.

4ª etapa
Distribua vários textos de memórias de diferentes autores para que os alunos realizem uma leitura silenciosa. Divida a turma em duplas e proponha que comentem sobre o que leram, escolham o texto que mais chamou a atenção e apresentem-no oralmente aos colegas. Convide um funcionário da biblioteca escolar (ou outro professor, caso a escola não possua biblioteca) para uma entrevista coletiva. A classe deverá fazer perguntas sobre as memórias estudantis dele. Proponha que cada dupla escreva um texto sobre as memórias que ouviu, prestando atenção nas alterações que ocorrem ao transpor a linguagem oral para a escrita. O trabalho deve ser realizado da seguinte maneira: um aluno é escolhido para ser o escriba e o outro narra as memórias como se fossem dele. O escriba registra tudo no caderno e o colega ajuda a melhorar a produção. Ao surgirem dúvidas, as duplas podem recorrer aos colegas e ao professor. A ideia é que a turma vá aprimorando os textos ao longo da aula. No fim, todos devem registrar no caderno as produções coletivas.
Tomando como parâmetro essas produções, selecione alguns trechos dos textos que a turma produziu no começo do projeto. Sem especificar de quem é cada texto, analise coletivamente questões concernentes a coesão, coerência e vocabulário, fazendo as alterações necessárias e promovendo a reescrita coletiva. Chame a atenção também para aspectos relativos ao uso dos tempos verbais e dos pronomes, além de enfatizar a importância dos sinais de pontuação.

5ª etapa
Realize uma visita à biblioteca da escola. Convide um estudante a escolher um livro na seção de Memórias Literárias e realizar a leitura em voz alta para a turma. Sugira que todos escolham um texto de memórias para realizar a leitura silenciosa na biblioteca e um livro para ler em casa. Incentive os alunos a visitar a biblioteca constantemente e auxilie-os a criar esse hábito. Se a escola possuir laboratório de informática, complemente a atividade pedindo que a turma pesquise na internet informações sobre os autores lidos. Retornando à sala de aula, proponha que os alunos socializem as informações encontradas. Com base nelas, montem coletivamente uma lista com a vida e a obra de cada autor. Escolha um estudante para digitar a lista. Faça cópias dela e entregue à classe. Para finalizar a etapa, com base nelas, elabore um plano global para a produção final do tema meu professor inesquecível. Explique à classe que o texto deve ter as seguintes características: ser construído com base na vivência, ter foco narrativo e pronomes em primeira pessoa, utilizar narrador-personagem, ser uma produção com início, meio e fim e utilizar tempo e espaço apropriados ao gênero. Peça que todos registrem o plano no caderno. Lance a proposta para que cada um prepare um roteiro provisório.

6ª etapa
Inicie o trabalho com o texto Galinha ao Molho Pardo. A primeira leitura pode ser feita em voz alta pelo professor e acompanhada pelos alunos, que devem ter uma cópia em mãos. Realize uma análise coletiva dos usos dos sinais de pontuação, que pode resultar na construção de um quadro temático. Relembre todas as atividades realizadas e, de posse do material produzido pelos estudantes ao longo das aulas e do roteiro, peça que cada um comece a produção do texto final. O título deve ser Meu Professor Inesquecível. Explique que as produções vão compor uma coletânea que será apresentada à escola.

7ª etapa
Com base na produção da etapa anterior, realize um processo de revisão coletiva e outro individual. Para começar, liste no quadro problemas que permeiam a maioria dos textos, discuta-os e apresente as explicações mais gerais. Em seguida, devolva os textos e proponha que os alunos formem duplas para melhorarem suas produções. Recolha os textos, leia-os minuciosamente e anote sugestões para aprimorá-los. Entregue as produções com observações específicas para que cada um realize a reescrita individual. Leia novamente os textos e sugira os últimos aprimoramentos e as questões ortográficas que precisam ser ajustadas. Estabeleça um prazo para a entrega da versão final. Para finalizar, peça que os alunos produzam uma capa para a coletânea. Organize o livro e prepare a cerimônia de lançamento. Faça uma lista de professores, funcionários e membros da comunidade que serão convidados. 

Produto final
Livro com as memórias literárias da turma.

Avaliação
Os avanços na aprendizagem precisam ser avaliados por meio da análise comparativa das produções, registro processual dos textos e dificuldades da turma e das intervenções realizadas pelo professor. Tudo deve ser registrado e organizado em um portfólio.

Fonte: Nova escola

Atividades do dia da consciência negra

Esta é uma atividade avaliativa que você poderá usar até como prova para as séries do Ensino Fundamental. Esta atividade se baseia em perguntas sobre as leis relacionadas aos negros. Dentre elas, você verá a Lei Áurea, Lei do Ventre Livre e muito mais. Leve para seus alunos e desenvolva atividades em comemoração ao dia da consciência negra.

Esta é uma folha que você pode usar para ensinar seus alunos a importância do dia da consciência negra. Imprima esta atividade e leve para sala de aula no dia 20 de novembro e desenvolva suas atividades pedagógicas.


Esta cruzadinha bem legal é mais uma atividade educativa sobre o dia da consciência negra. Imprima e monte suas atividades escolares e leve para seus alunos para discutir a passagem do dia da consciência negra.




JOGO ONLINE DE SOLETRAR PALAVRAS

Este é um daqueles jogos incríveis que podem ajudar as crianças a melhorar na escrita. Lecionando para estudantes do ensino Fundamental e também Médio, noto que são muitas as crianças que ainda têm dúvidas relacionadas à ortografia. Por isso mesmo este jogo pode ajudar bastante no "Treino" das palavras. Claro que estudar um pouco de teoria é interessante e, por isso, sugiro um link de um blog com conteúdos para o Enem [clique aqui e veja algumas dicas de ortografia]. Para quem está começando a aprender a grafia das palavras e também para quem já está num nível mais avançado nos estudos, a grafia das palavras é uma pedra no sapato.


Quem nunca ficou na dúvida sobre como se escreve uma palavra. Nem sempre se tem um bom dicionário para consultar por isso é importante conhecer, ter intimidade com a forma como as palavras são grafadas. Este jogo é o mesmo que o Luciano Huck usa em seu programa. para jogar é bem simples. Você precisa deixar o som do seu computador ligado porque, ao clicar em "ouvir palavra" isso disparará  palavra. Ao ouvi-la você deverá digitar na caixa de texto apropriada a palavra que acabou de ouvir. Em seguida clique para conferir a grafia em mais um jogo educativo em parceria com o site maiseducativo.com.br.

Uso das charges na redação escolar

Na hora de estudar para fazer a redação no Enem, muitos alunos se deparam com o uso de imagens na coletânea e, por isso, se veem sem saber bem o que fazer. Já falei no meu post sobre o tema da redação do Enem 2016 que muitas charges ajudam bastante na hora de compor a coletânea. Isso porque muitos chargistas e ilustradores conseguem sintetizar numa única imagem toda uma opinião sobre determinados temas. Isso que mostrarei na imagem abaixo que é parte do material que montei para meus alunos de Ensino Médio.